Eutanásia em animais

Por definição, a eutanásia consiste em proporcionar morte ao animal de forma que ele não sinta dor

Eutanásia em animais   Artigos VetProfissional


A eutanásia consiste em proporcionar morte ao animal de forma que ele não sinta dor, para aliviar sofrimentos decorrentes de doenças incuráveis ou, no caso de animais que são abatidos, para a comercialização de sua carne. É realizada através de técnicas já conhecidas, por médicos veterinários, no caso de animais domésticos, ou por pessoas capacitadas.

A professora do VetProfissional, Waleska de Melo Ferreira Dantas, explica que, em alguns casos a eutanásia é necessária, pois o animal pode estar sentindo muitas dores.

Conheça a seguir algumas formas de eutanásia em animais


- Arma de efeito cativo

Esse método é mais utilizado para o abate de animais de produção. Essa arma provoca a destruição do tecido cerebral por lâmina ou ar comprimido.

- Arma de fogo

Ainda que seja considerada esteticamente inaceitável, a arma de fogo pode causar uma morte rápida e indolor, caso seja bem usada.

- Deslocamento Cervical

Mais utilizado em animais de pequeno porte ou de laboratório, que, quando sedados, as vértebras são deslocadas e há rompimento do tecido nervoso local.

- Decapitação

Também é mais utilizado em animais de laboratório e pode ser combinada com a eletrocussão.

- Eletrocussão

Também conhecida como fulminação, é considerada um método quase perfeito pela agilidade em que mata o animal.

- Irradiação por micro-ondas

Essa forma de eutanásia só é permitida em animais de laboratório. É necessário o uso de um equipamento industrial, que é dispendioso. O uso de aparelhos domésticos é expressamente proibido para tal.

- Compressão torácica

Rápido e aparentemente indolor, também não é esteticamente aceitável.

- Outras

Existem outras formas de eutanásia, consideradas inaceitáveis: destruição medular, maceração, esmagamento da nuca, estrangulamento, a descompressão, hipotermia (congelação), hipertermia, exsanguinação e afogamento.

Métodos químicos inalantes


- Inalação de anestésicos, como o halotano, isoflurano, sevoflurano;
- Nitrogênio e argônio, que provocam morte por hipóxia cerebral;
- Monóxido e dióxido de carbônico, de menor custo;
- Azoto, óxido nitroso, ciclopropano e cianeto de hidrogênio.

Métodos químicos não inalantes


- Barbitúricos, que provocam a perda de consciência sem muito desconforto;
- Hidrato de cloral, indicado apenas para animais grandes, com exceção de cães e gatos, e aplicado de forma intravenosa;
- T-61, uma combinação de três drogas não barbitúricas e não narcóticas de ação curariforme, isto é, que produz o relaxamento dos músculos.

Aprenda mais sobre Eutanásia Animal, na Disciplina VET Profissional UOV Patologia Clínica Veterinária, disponível no VetProfissonal, a mais moderna ferramenta de capacitação para médicos veterinários e estudantes de veterinária disponível no mercado, com a qual você obterá todos os conhecimentos necessários para garantir o bem-estar dos animais e alcançar êxito em sua profissão.


Fonte: Portal Educação – portaleducacao.com.br
por Renato Rodrigues

Receba Mais Informações