Exame ginecológico em éguas: importância, etapas e quando fazer

A obtenção de animais de alto desempenho genético só é possível mediante valorização de todas as etapas que compõem o manejo reprodutivo

Égua sendo examinada

Apesar de a fertilização e gestação serem o núcleo do processo de reprodução animal, os criadores, baseados em inúmeras pesquisas científicas, entenderam que a obtenção de animais de alto desempenho genético só seria possível mediante valorização de todas as etapas que compõem o manejo reprodutivo. Em relação à criação de equinos, uma dessas etapas que se mostra fundamental é o exame ginecológico completo da égua antes da estação reprodutiva.

Um exame ginecológico criterioso envolve três etapas: coleta de dados, avaliação clínica e exames laboratoriais. Na coleta de dados, a primeira informação a ser obtida é a idade do animal que, se não estiver devidamente registrada, o que hoje em dia é muito difícil de acontecer, deverá ser estimada por meio da cronologia dentária. Esse dado é importante porque a fertilidade da égua varia conforme sua faixa etária, de modo que a ideal para prenhez é de 4 até, mais ou menos, 15 anos. Abaixo disso, as éguas ainda não alcançaram a maturidade uterina, ficando propensas a perdas gestacionais, e, acima disso, há a diminuição da taxa de concepção.

Outro ponto importante dessa primeira etapa é o levantamento do histórico reprodutivo da fêmea. Saber detalhes como quando foi sua primeira gestação, se apresentou quadros de retorno ao cio, complicações gestacionais ou dificuldade de emprenhar auxilia o médico veterinário a chegar em um diagnóstico preciso sobre a situação da égua e a recomendar um tratamento eficiente em caso de subfertilidade. A avaliação do escore corporal também faz parte deste primeiro momento, pois sabe-se que a condição física e nutricional e o balanço energético da égua afetam diretamente sua taxa de fertilidade.

Já a avaliação clínica engloba o exame da conformação perineal e a avaliação da genitália interna, ambos em busca de problemas físicos ou anatômicos que podem gerar dificuldades na reprodução. Em uma boa conformação do períneo, a vulva deve estar verticalmente abaixo do ânus, os lábios vulvares bem coaptados e Índice de Caslick ideal. Por sua vez, quando a avaliação da genitália interna é positiva, o cérvix, útero, corpo uterino, cornos uterinos e ovários não devem apresentar anormalidades.

Por fim, os exames laboratoriais acontecem mediante vaginoscopia, que permite avaliar possíveis causas de infertilidade da égua por meio da coleta de amostras para exames laboratoriais, a saber:

Exames de culturas microbiológicas e antibiograma: faz-se utilizando coletores comerciais tipo swab.
Citologias uterinas: faz-se utilizando coletores comerciais do tipo escova citológica

É altamente recomendável que o exame ginecológico completo também seja realizado antes da compra do animal e em casos de queixas de subfertilidade.


Aprenda mais sobre esse assunto na área Reprodução Equina do VET Profissional, com os professores: Prof.ª Dr.ª Maria Gazzinelli, Mestre e Doutora em Zootecnia, Reprodução Animal, pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), especialista em equinos; Prof. Dr. Márcio Menezes, Mestre em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa, especialista em foliculogênese e endocrinologia do estral, análises hormonais, criopreservação de sêmen, inseminação artificial e transferência de embriões equinos; Prof.ª Dr.ª Bruna de Freitas, Mestre e Doutora em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa, especialista em fisiopatologia da reprodução animal, ginecologia e andrologia animal e biotécnicas aplicadas à reprodução animal. O VET Profissional é a plataforma de aperfeiçoamento mais completa para Médicos Veterinários e estudantes de Veterinária, com milhares de vídeos e centenas de livros digitais, para aprender rápido e salvar mais vidas. Tenha acesso ilimitado a centenas de aulas práticas, cursos online, casos clínicos e casos cirúrgicos na palma da sua mão!

Receba Mais Informações