Manejo do botijão criogênico: cuidados simples para inseminações bem-sucedidas

A inseminação artificial é a técnica reprodutiva mais utilizada nas criações equinas atualmente, pois controlar a qualidade do sêmen e a sanidade das éguas é essencial para a obtenção de animais geneticamente superiores

Botijão criogênico

A inseminação artificial é a técnica reprodutiva mais utilizada nas criações equinas atualmente, pois controlar a qualidade do sêmen e a sanidade das éguas é essencial para a obtenção de animais geneticamente superiores. Embora haja muitos aspectos que colaboram para o bom resultado da inseminação, existe um que nem sempre recebe a seriedade merecida: o manejo do botijão criogênico. Manuseá-lo incorretamente ou mantê-lo em condições inadequadas pode inviabilizar as doses de sêmen, gerando perda de tempo e, principalmente, de dinheiro.

Para garantir a qualidade do conteúdo armazenado e a integridade física do botijão, alguns cuidados são necessários. O mais básico deles é manter o recipiente em local arejado, seco, sem incidência de raios solares e sobre estrados para evitar o seu contato com o chão. O ideal é guardá-lo dentro de uma caixa de madeira ou outro material resistente que o protegerá de choques mecânicos.

O botijão nunca deve ser inclinado, para que não haja derramamento de nitrogênio líquido. Assim, durante sua transportação, ele deve ser sempre manuseado por duas pessoas, cada uma segurando em uma alça lateral.

Também é preciso lembrar que o nitrogênio líquido evapora constantemente e a tampa que vem no botijão é projetada para permitir a evasão do vapor na medida certa. Dessa forma, nunca substitua a tampa original por outra, pois a vedação total pode aumentar a pressão interna do recipiente, causando explosões, e um fechamento ineficiente pode promover o desperdício de material por causa da evaporação excessiva.

Ainda sobre o nitrogênio líquido, seu nível deverá ser conferido semanalmente e antes de cada inseminação, pois, se não estiver acima do mínimo aceitável, que é de 15 cm, não será capaz de manter a temperatura adequada para preservar o sêmen. Além disso, quando forem retirar as doses para a inseminação, o caneco deve ser puxado até a boca do botijão, mas sem ultrapassá-la, de modo que ainda permaneça todo dentro do recipiente. Isso ajuda para que temperatura das palhetas permaneça adequada.


Aprenda mais sobre esse assunto na área Reprodução Equina do VET Profissional, com os professores: Prof.ª Dr.ª Maria Gazzinelli, Mestre e Doutora em Zootecnia, Reprodução Animal, pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), especialista em equinos; Prof. Dr. Márcio Menezes, Mestre em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa, especialista em foliculogênese e endocrinologia do estral, análises hormonais, criopreservação de sêmen, inseminação artificial e transferência de embriões equinos; Prof.ª Dr.ª Bruna de Freitas, Mestre e Doutora em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa, especialista em fisiopatologia da reprodução animal, ginecologia e andrologia animal e biotécnicas aplicadas à reprodução animal. O VET Profissional é a plataforma de aperfeiçoamento mais completa para Médicos Veterinários e estudantes de Veterinária, com milhares de vídeos e centenas de livros digitais, para aprender rápido e salvar mais vidas. Tenha acesso ilimitado a centenas de aulas práticas, cursos online, casos clínicos e casos cirúrgicos na palma da sua mão!

Receba Mais Informações