Necropsia em ovino: língua, orofaringe e coração. Como é feito o exame desses órgãos?

Na necropsia em ovinos, após o exame externo do cadáver é realizado o exame da língua, da orofaringe e do coração, feito de forma minuciosa, em que cada órgão é examinado individualmente

Necropsia em ovino: língua, orofaringe e coração. Como é feito o exame desses órgãos?

O exame necroscópico é fundamental para definição ou confirmação de diagnóstico. Entre as etapas de realização dessa técnica destaca-se o exame dos órgãos, a qual é realizada após exame externo do cadáver. O exame dos órgãos é feito de forma minuciosa, e cada órgão é examinado individualmente, observando possíveis processos patológicos.

Na realização do exame necroscópico, são utilizadas técnicas de avaliação dos órgãos que compõem os diferentes sistemas, além de coletar amostras com foco nas principais doenças dos ovinos”, explica o Dr. João Paulo Machado, Médico Veterinário e professor do VET Profissional, que é Doutor em Medicina Veterinária.

Língua e orofaringe

A avaliação começa pela língua, pois ovinos têm uma série de doenças associadas a esse órgão, inclusive febre aftosa. O primeiro passo é vistoriá-la externamente para excluir lesões ulcerativas e vesiculosas e, em seguida, realizar cortes transversais para avaliar o interior do músculo, que pode apresentar lesões de miosites ou calcificações.

A região da orofaringe deve ser aberta em busca de sinais de linfadenites bacterianas, tonsilites e qualquer outra condição. A glote e epiglote também são avaliadas nesse momento.

 

Avaliação do início da traqueia, glote e epiglote.

Avaliação do início da traqueia, glote e epiglote.


As tireoides e as paratireoides devem ser removidas e colocadas ao lado uma da outra. Caso estiverem assimétricas ou ambas aumentadas de tamanho, devem ser coletadas para exames histopatológicos.

Coração

A primeira coisa a ser observada é a presença de efusões dentro do saco pericárdico. O saco pericárdico não pode apresentar pontos de aderência no tecido cardíaco e seu aspecto deve contar com uma superfície lisa e brilhante. Caso contrário, o diagnóstico morfológico é pericardite.

Deve-se expor o interior do coração e observar se os coágulos presentes vão se desprender facilmente, pois o contrário é sinal de trombose. Também, deve-se atentar para a quantidade de coágulo cruórico nas câmaras esquerdas, pois, enquanto é normal haver um grande volume do lado direito, muito coágulo no interior esquerdo indica deficiência na contração do coração, podendo ser o início de insuficiência cardíaca.

Importante também introduzir uma tesoura fechada por baixo das válvulas cardíacas para verificar se elas estão aderidas às paredes cardíacas, o que não é desejado.

 

Teste de aderência das válvulas cardíacas.

Teste de aderência das válvulas cardíacas.

 

A análise do coração e das artérias ainda inclui a avaliação da coloração e aspecto interno, que deve ser liso e brilhante, sem rugosidades, calcificações, manchas ou qualquer outra anormalidade.


Aprenda mais sobre esse assunto na área Anatomia Patológica – Técnica de Necropsia do VET Profissional, com o Prof. Dr. João Paulo Machado, Doutor em Medicina Veterinária – Patologia Animal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). O VET Profissional é a plataforma de aperfeiçoamento mais completa para Médicos Veterinários e estudantes de Veterinária, com milhares de vídeos e centenas de livros digitais, para aprender rápido e salvar mais vidas. Tenha acesso ilimitado a centenas de aulas práticas, cursos online, casos clínicos e casos cirúrgicos na palma da sua mão!

 

Receba Mais Informações