Otite externa fúngica-bacteriana em cães: como diagnosticar?

A maioria das otites fúngicas em cães tem como agente etiológico a Malassezia. Já as causas da otite bacteriana podem ser de cunho alérgico e recorrente ou devido à ação de bactérias oportunistas

Otite externa fúngica-bacteriana em cães: como diagnosticar?

A Malassezia é uma espécie de fungo que costuma viver de maneira comensal na pele dos cães, mas pode causar dermatites quando ocorre exagerada proliferação. As causas da otite bacteriana podem ser de cunho alérgico e recorrente ou devido à ação de bactérias oportunistas. “Ambas remetem ao manejo incorreto do paciente durante o banho ou tosa”, explica Fabíola Carolina de Almeida, Médica Veterinária e Professora do VET Profissional, que é Pós-graduada em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais.

As etapas do exame físico devem seguir a seguinte ordem de avaliações, iniciando sempre pela cabeça do paciente: Avaliação dos olhos; da mucosa oral; do TPC; dos dentes; otoscopia: avaliação dos ouvidos; palpação dos linfonodos; palpação do abdômen; auscultação cardiopulmonar e aferição da temperatura.

Como aqui estamos exemplificando um caso de otite, digamos que no exame físico se detectou secreção enegrecida com odor fétido em ambos ouvidos e pelo em toda extensão dos condutos auditivos.

Então, após realizar o exame físico do paciente, são solicitados os seguintes exames laboratoriais e complementares:

- Exame citológico: O swab otológico é o exame citológico específico para diagnóstico de otite, pois permite identificar os agentes etiológicos - fungos, bactérias ou ácaros – causadores da infecção nos ouvidos. A coleta deverá ser feita na região do conduto auditivo.

- Hemograma: O hemograma foi solicitado com o objetivo de verificar o estado geral do paciente e se há indícios de processos inflamatórios ou infecciosos, trombopenia ou trombocitose.

- Bioquímico: O exame bioquímico foi solicitado com o objetivo de avaliar a função renal e hepática do paciente.

Diante das informações registradas na anamnese e no exame físico do paciente, foi possível estabelecer diversas possibilidades de diagnóstico diferencial para o animal, entre elas: otite, atopia, pólipo, neoplasia, endocrinopatia, alergia alimentar. Os resultados dos exames laboratoriais e complementares possibilitarão estabelecer um diagnóstico final do quadro clínico apresentado pelo paciente, a saber: otite fúngica causada por Malassezia aliada à otite bacteriana (Coccus).


Aprenda mais sobre esse assunto na área Casos Clínicos – Cães e Gatos do VET Profissional, com a Prof.ª Fabíola Carolina de Almeida, Pós-graduada em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais pela Univiçosa. O VET Profissional é a plataforma de aperfeiçoamento mais completa para Médicos Veterinários e estudantes de Veterinária, com milhares de vídeos e centenas de livros digitais, para aprender rápido e salvar mais vidas. Tenha acesso ilimitado a centenas de aulas práticas, cursos online, casos clínicos e casos cirúrgicos na palma da sua mão!

Receba Mais Informações