Preparo do campo operatório veterinário: a assepsia cirúrgica

A assepsia do campo operatório é fundamental para evitar a contaminação por agentes externos

Preparo do campo operatório veterinário: a assepsia cirúrgica   Artigos VetProfissional


Para preparar o campo operatório para a realização de cirurgias veterinárias, é fundamental manter a assepsia do local onde o animal será operado. Isso porque os instrumentos e outros itens usados na cirurgia podem estar contaminados e comprometer ainda mais a saúde do animal.

É muito importante salientar, antes de mais nada, que as práticas de assepsia previnem a contaminação exógena do campo operatório, isto é, previne a contaminação do animal por agentes externos a ele.

Fazem parte da assepsia os procedimentos de esterilização, desinfecção e antissepsia:


I- Esterilização

Consiste na eliminação de todos os microrganismos que possam contaminar objetos inanimados, ou seja, roupas e instrumentos utilizados no procedimento cirúrgico. Pode ser realizada por métodos físicos ou químicos.

1- Métodos físicos

- Através do calor, pelos processos de autoclavagem ou com água em ebulição, ou com a flambagem, estufa ou incineração.

- Através da radiação, com raios UV ou com raios gama.

- Através da filtração, que remove microrganismos de gases e líquidos.

2- Métodos Químicos

- Gasosos, utilizando o formaldeído ou o óxido etileno.

- Líquidos, com o uso de glutaraldeído, deixando o material em imersão na solução a 2% durante 10 minutos.

A esterilização tem validade variada: 10 dias para embalagens de papel, 15 para as de tecido, 6 meses para o plástico e 30 dias para caixa metálica.

II- Desinfecção

A desinfecção diz respeito à remoção de microrganismos de superfícies, como é o caso de móveis, paredes, salas e baias. É feita com desinfetantes.

III- Antissepsia

Esse procedimento é realizado para eliminar a contaminação de agentes que podem ser utilizados sobre tecidos vivos, como a pele do animal ou da equipe cirúrgica. A antissepsia da mão remove sujidades e a oleosidade da pele, diminuindo para quase zero a contagem de microrganismos transitórios. É feita através de escovação nas unhas, faces dos dedos, regiões interdigitais, palmares e dorsais e, ainda em cada um dos lados do antebraço.

IV- Roupas cirúrgicas

É importante, também, saber vestir os equipamentos cirúrgicos, tomando cuidados para que não haja contaminação deles, tomando cuidado para que não sejam usados em trânsito entre áreas estéreis e não estéreis.

Aprenda mais sobre assepsia cirúrgica na Aula 02 – Paramentação da Equipe Cirúrgica, da Disciplina Cirurgia de Cães e Gatos disponível no VetProfissonal, a mais moderna ferramenta de capacitação para médicos veterinários e estudantes de veterinária disponível no mercado, com a qual você obterá todos os conhecimentos necessários para garantir o bem-estar dos animais e alcançar êxito em sua profissão.

Fonte: Setor de Ensino e Pesquisas Cirúrgicas Faculdade de Veterinária UFRGS – ufrgs.br/blocodeensinofavet/
por Renato Rodrigues

Receba Mais Informações