Fêmeas suínas: como detectar o cio?

Dentro das inúmeras técnicas de manejo diário de uma granja, o manejo reprodutivo é um dos principais pontos de atenção do suinocultor, e a detecção do cio é um ponto de suma importância dentro do manejo reprodutivo

Fêmeas suínas: como detectar o cio?

A suinocultura é uma atividade que exige muita dedicação para se alcançar bons índices de produtividade e, consequentemente, obter resultados econômicos satisfatórios. Dentro das inúmeras técnicas de manejo diário de uma granja, o manejo reprodutivo é um dos principais pontos de atenção do suinocultor, onde não bastam bons padrões nutricionais e boas normas de manejo, se os índices reprodutivos não forem também elevados.

A detecção do cio é um ponto de suma importância dentro do manejo reprodutivo.

A utilização do macho na tarefa de diagnóstico do cio é fundamental, uma vez que algumas fêmeas apresentam variações de comportamento e de vulva que passam despercebidos ao homem”, explica Mariana Costa Fausto, Médica Veterinária e Professora do VET Profissional, que é Mestre em Medicina Veterinária e Doutora em Medicina Veterinária Preventiva – Saúde Animal e Programas Sanitários.

O cio caracteriza-se por alterações hormonais determinando transformações gradativas nos órgãos genitais externos, internos e também no comportamento da fêmea.

Para a detecção do cio das fêmeas, é necessário que um funcionário passe conduzindo um rufião que irá estimular as porcas, encostando focinho com focinho.

Ao mesmo tempo em que as fêmeas estão sendo estimuladas pelo macho, outro funcionário deve vir por trás massageando o flanco delas, de modo a identificar os sinais de cio lançados, como posição em estação, orelhas jogadas para trás, tremulações e vulva edemaciada com liberação de secreções.

É muito comum esse processo ser realizado rapidamente, o que faz o funcionário deixar passar muitos sinais de cio. Por isso, o correto é que todo o caminho com o rufião e a massagem dos flancos sejam feitos sem pressa e por profissionais treinados.

Após a detecção dos cios, as fêmeas prontas são marcadas e agrupadas em lotes para serem inseminadas. O ideal é que após a inseminação, elas não sejam mais movimentadas para evitar estresse, agente causador de abortos.

Para a detecção da prenhez, passa-se o rufião novamente no lote 14 dias após o procedimento de inseminação. As fêmeas que demonstrarem sinal de cio nessa segunda passagem do rufião não foram fertilizadas e deverão ser reconduzidas para nova inseminação.


Aprenda mais sobre esse assunto na área Suínos – Produção e Principais Doenças do VET Profissional, com a Prof.ª Dr.ª Mariana Costa Fausto, Doutora em Medicina Veterinária Preventiva – Saúde Animal e Programas Sanitários pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Mestre em Medicina Veterinária também pela UFV. O VET Profissional é a plataforma de aperfeiçoamento mais completa para Médicos Veterinários e estudantes de Veterinária, com milhares de vídeos e centenas de livros digitais, para aprender rápido e salvar mais vidas. Tenha acesso ilimitado a centenas de aulas práticas, cursos online, casos clínicos e casos cirúrgicos na palma da sua mão!

Receba Mais Informações